De olho na Páscoa

De olho na Páscoa

chocolates-chianti500

Bombons da Chianti Chocommelier: matéria-prima belga, ingredientes de qualidade e frescor acima da média. Foto: Luciana Mastrorosa/ Guloseima

Não sei você, mas eu amo chocolate. É meu doce favorito por excelência. E Páscoa é a melhor época para encontrar novidades, provar uma combinação inusitada, algo diferente. Ou mesmo ater-se ao tradicional, que já é maravilhoso.

Por aqui, começamos as pesquisas com os bombons da Chianti Chocommelier. A proposta da casa – que fica num endereço bastante charmoso, em Pinheiros – é combinar chocolate e outros itens, como vinhos, uísque, café e até azeites. Na nossa primeira visita, ficamos nos bombons. Todos muito frescos, elaborados com chocolate belga e ingredientes de primeira.

Provamos o de Nutella, o de gianduia, a trufa amarga de limão siciliano com manjericão (delícia!), o coração dourado de doce de leite com macadâmia… Dá para escolher itens variados e compor caixinhas de diversos tamanhos (a com 12 unidades custa R$ 51). Há também barrinhas ao leite e amargas, com e sem castanhas, e algumas sem lactose. Para a Páscoa, eles também estão fazendo ovos, mas isso fica para outro post. :)

Ah, vale mencionar que o atendimento foi nota 10. Coisa rara de se ver em época de muita “gourmetização” e pouca entrega.

Chianti Chocommelier
chiantichocommelier.com.br

A despensa da intolerante

A despensa da intolerante

Já contei aqui que descobri recentemente ser intolerante à lactose. O primeiro passo foi (parar de chorar e) adaptar as comidinhas do dia a dia. O café da manhã, o almoço na rua, os jantares em casa. Foi assim que descobri que costumava cozinhar com um monte de produtos lácteos, apesar de não tomar leite puro há anos. Era um chocolate para brownie aqui, um filé na manteiga ali, tortas amanteigadas, queijos em abundância no macarrão… Assim, amigos, não tem jeito: para quem é top intolerante, como eu, a conta sai cara para a saúde. Mas como é que eu ia saber, né? Mais de uma década me tratando em gastros e afins e só o meu médico atual pediu o exame de lactose…

Mas enfim. Daí que a fase dois consiste em fazer a limpa na despensa, ou seja, usar (e doar) tudo aquilo que eu comia outrora, mas que a partir de agora só fazendo uso de lactase, e olhe lá! Remexendo a despensa/geladeira, descobri pacotes fechados de manteiga, barras de chocolate, misturas prontas para cookies/panquecas com lactose na receita, creme de leite, leite condensado, docinhos à base de leite, litros de leite de cabra, etc. Tudo delicioso mas, por ora, proibido. Alguns – como os leites de cabra – eu vou aproveitar para fazer kefir. Estou pesquisando o consumo desse leite fermentado caseiro por quem tem intolerância à lactose, se funcionar, conto aqui. Mas, adiantando, o kefir é um leite fermentado com teores muito baixos de lactose, além de conter enzimas que ajudam a quebrar esse açúcar restante. Se funcionar, será lindo. Se não funcionar, vou fazer kefir de água e ser feliz do mesmo jeito – o que importa é dar aquela força probiótica ao organismo, em forma de uma bebida refrescante e agradável.

A falta que o chocolate faz…

chocolates-lacfree

Chocolates sem lactose: a busca continua. Foto: Luciana Mastrorosa/Guloseima


Incrível como cada um sente falta específica de alguma comida ao descobrir a IL (já estou até íntima do termo, ai, ai). Lendo blogs de outros intolerantes, como este aqui, descubro que alguns sofreram por deixar de consumir o leite puro, outros sentem falta de pizza cheia de queijos, de molho branco. Para mim, o difícil DE VERDADE é deixar de comer chocolate. Chocolate bom, daqueles que derretem na boca, daqueles feitos apenas com cacau, manteiga de cacau, um mínimo de açúcar. E olha: eu sempre adorei qualquer tipo de chocolate, e os amargos eram top favoritos. Mas, para minha tristeza, até as marcas premium tipo Callebaut e Lindt fazem chocolates beeeem amargos, só que com o aviso inevitável de “pode conter traços de leite”.

Para amenizar as primeiras semanas de adaptação, foquei em encontrar apenas chocolates sem lactose, feitos de soja ou com enzima adicionada. Nova surpresa: a maioria é adoçada com edulcorantes artificiais. A intolerância à lactose causa, como um dos principais sintomas, diarréia. E esses adoçantes podem soltar o intestino, então… Não se pode abusar.

zero-cacaushow

Tablete Zero Lactose, da Cacau Show: campeão até agora. Foto: Luciana Mastrorosa/Guloseima

Agora voltando às descobertas: um chocolate sem lactose de fato me agradou 100%, uma barra meio amarga, de chocolate puro, pouco doce, sem edulcorantes. Essa barra de chocolate faz parte da linha Zero da Cacau Show, pode ser encontrada nas lojas da marca e custa menos de 10 reais uma barra de 100 gramas (em São Paulo, paguei 8,90 reais). Achei justo e me emocionei de verdade. A atendente foi super simpática e me avisou que eles fazem também língua de gato sem lactose – só não tinham naquele dia porque, segundo ela, a “procura é muito grande.” Ah, esses tabletes da Cacau Show também não têm glúten.

Também provei o chocolate da Nestlé Classic zero açúcar, zero lactose (o preço é bom: 2,30 reais) com bom sabor do cacau, mordida ótima, mas um pouco de sabor residual de adoçante. É para aqueles dias que queremos um chocolate bem amarguinho, do jeito que eu gosto. No dia a dia, os chocolates ChocoSoy, da Olvebra, quebram um galho, mas muitos também têm os edulcorantes artificiais, então prefiro evitar. As bolinhas crocantes dessa linha são boas.

Antes que alguém me acuse de chata, eu explico a minha implicância com os adoçantes artificiais: descobrir a IL aos 34 anos me rendeu uma gastrite e uma colite ulcerativa que já duram 12 anos. Sim, mais de uma década. Por isso, dou um VIVA! às marcas que comercializam produtos especiais com o mínimo de interferência possível. Aqui, vale mencionar que também amo café, mas tenho de tomar essa bebida com cuidado, apenas os melhores e mais bem manipulados, especialmente os arábicas. Agradeço, então, publicamente, às empresas de café especial que fazem excelentes produtos, descafeinados ou não. A Nespresso está de parabéns pelo Decaffeinato, a cápsula vermelhinha não sai mais da minha despensa. Também adoro os cafés da Isabela Raposeiras, do Coffee Lab, sempre cuidadosamente torrados para extrair o melhor em aroma e sabor.

E assim vamos nós, vivendo e aprendendo.

* Em tempo: se você tiver dicas de chocolates sem lactose, fique à vontade para deixar um comentário ou mandar um email. Ficarei grata de trocar figurinhas com outros IL pelo mundo. :)

* Em tempo 2: este post NÃO é um publieditorial. Faço resenhas de produtos que compro e meus comentários servem apenas ao propósito de trocar informações sobre eles. Vale lembrar que qualquer opinião expressa neste blog NÃO invalida uma consulta com profissional especializado. Na dúvida, procure sempre um médico ou nutricionista.

Top brownie

Top brownie

browniesAmo brownies. Faço um atrás do outro, testo mil receitas e sempre fica bom. Brownie é o tipo de doce que nunca te decepciona: um exagero de chocolate, massa macia, bom quente ou gelado, com ou sem calda, com ou sem sorvete. Gosto do brownie puro, sem castanha, sem nada, só aquela loucura exagerada de chocolate para acompanhar uma xícara de café passado na hora ou várias xícaras de chá.

E o mais divertido: fica pronto rápido. Meia hora e o brownie se destaca da assadeira e vai direto aos pratinhos em pedações açucarados. Anima qualquer alma, acredite.

A massa é para os fortes: um monte de chocolate em pó (ou em barra), açúcar, manteiga. Nem pense em economizar e fazer com margarina, porque o resultado é infinitamente inferior. Brownie bom é aquele cheinho de calorias felizes.

Como esta receita abaixo, tão deliciosa que adotei como a mais básica de todas na minha cozinha. Encontrei perdida na internet e não guardei o link (shame on me), mas eu lembro do nome da autora: Nicole.

Nicole, seja você quem for, aqui vai um salve: sua receita é ótima! Segue abaixo a receitinha desse brownie delicioso e prático, com ligeiras adaptações feitas pela nossa intrépida cozinha:

BROWNIE DA NICOLE
Rende 1 assadeira média

200 g de manteiga em temperatura ambiente (consistência de pomada)
2 xícaras (chá) de açúcar (uso açúcar de baunilha, que aromatizo com as favas usadas em outras receitas)
4 ovos (orgânicos, de gema bem amarelinha)
1 1/2 xícara (chá) de chocolate em pó (pode usar metade chocolate, metade cacau em pó, para um resultado mais amarguinho)
1 xícara (chá) de farinha de trigo sem fermento, peneirada

Misture a manteiga e o açúcar em uma tigela e bata por 1 minuto, até incorporar bem os ingredientes. É importante que a manteiga esteja macia justamente para assimilar melhor o açúcar. Em seguida, junte os ovos e mexa bem. Adicione então o chocolate, misture e incorpore a farinha, até obter uma massa pesadinha e bonita. Eu misturo tudo à mão, numa tigela grande, porque se bater demais a massa ficará fofa, o que não é o objetivo aqui. Neste momento, você pode acrescentar um punhado ou dois de nozes picadas, que fica delicioso também (fiz uma versão assim para a mamãe, que adora nozes). Ou de outras castanhas de sua preferência, claro.

Coloque para assar numa forma média, retangular (20 a 25 cm), forrada com papel-manteiga. Se fizer dessa forma, não precisa untar nem enfarinhar a forma. Se não tiver papel-manteiga, então unte a forma com manteiga e enfarinhe (ou use cacau em pó). Leve para assar em forno médio, a 180oC, por 30 a 40 minutos. Como a temperatura muda muito de forno para forno, sugiro enfiar um palito de dente no centro do brownie já por volta dos 25 minutos. O palito deve sair úmido, mas não molhado (nem seco). Está pronto! Deixe esfriar na forma para depois cortar em pedaços quadrados.

Guloseimas de Páscoa

Guloseimas de Páscoa

A Páscoa está chegando. Pelos dias lindos de outono que têm feito, acredito que teremos um domingo de Páscoa com friozinho, bom para comer chocolates, bacalhau e todas as delícias que costumamos preparar nesta época do ano.

Quando eu era criança, morria de medo da Sexta-feira da Paixão, como já devo ter mencionado por aqui. E sempre me frustrava com os ovos de chocolate que, no mais das vezes, eram muito MENORES do que minha gula infantil queria! :D

Hoje em dia, vejo a Páscoa de uma forma diferente. Continuo não gostando das imagens de sangue da Sexta-feira Santa, porque eu acho tortura um horror. E morrer na cruz, nem comento. Mas como é um ato de amor, eu aceito a Páscoa. Não se ofendam. É mesmo uma celebração muito bonita de paz, amor, entrega e doação. Eu é que sou muito sensível às particularidades humanas…

Para celebrar a data, selecionei algumas ideias de chocolates e ovos para dar de presente. Se você ainda não se decidiu por um, vale dar uma espiada nas dicas aí de baixo:

La vie en Douce, by Carole Crema

pascoa-lavie-madagascarEste ano, a chef Carole Crema (minha professora querida!) investiu numa Páscoa étnica, com influências africanas e asiáticas.

O ovo Madagascar parece imperdível: 700 g de chocolate Valhrona, feito com cacau amargo de Madagascar, recheado com brittles de chocolate ao leite, da mesma origem. O preço: R$ 118.

Como gosto muito de miniovos, indico a caixa seleção, com ovinhos recheados de marshmallow, caramelo de macadâmia, waffer de gianduia, brutti ma buoni, alfajor e nutella. A caixa custa R$ 49.

Kopenhagen

Todo ano, compro miniovos recheados da Kopenhagen. Gosto do chocolate deles, apesar de ser mais mole que os chocolates de doceiras finas. Indico os ovinhos recheados de nhá benta, marzipan e chumbinho. Também gosto bastante dos ovos de casca natural, excelentes para as crianças, e um bonito presente para adultos que adoram chocolate, como eu!

E uma novidade muito interessante da Páscoa da Kopenhagen este ano: no melhor estilo bonecas russas, o 4 Clássicos é um ovo língua de gato. Aberto, revela uma casca de ovo lajotinha, outro de ovo chumbinho, e dentro de tudo, um miniovinho de nhá benta! Quero muito.

Speranza gastronomia

O empório gourmet da família Tarallo, famosa pelas massas e pizzas da cantina Speranza, lança um monte de produtos gostosos para a Páscoa deste ano, todos produzidos artesanalmente.

A lista inclui colombas pascais, ovos de chocolate e bombons.

A colomba de frutas leva ameixas, nozes, uvas passas, castanhas-do-pará e vinho do Porto, e são embaladas em charmosas toalhas de mesa. O bolo pesa 1,450 kg e custa R$ 110.

A outra versão da colomba leva gotas de chocolate na massa e chocolate granulado, e segue a mesma linha de embalagem. Esta pesa 900 g e custa R$73.

Entre os ovos, o destaque vai para o ovo meio branco e meio preto com trufas, de 750 g, por R$ 85. Para quem gosta de miniovos, como eu, o saquinho com 140g de ovinhos de chocolate sai por R$ 29.

Doce de Laura

pascoa-lauraA doceira Laura Estima criou algumas opções apetitosas para presentear nesta Páscoa. Entre elas, biscoitos de mel em formato de coelhinhos promete agradar às crianças da família. Os saquinhos, de 150 g, custam R$8. Quem preferir, pode comprar por quilo, a R$ 48.

Outra sugestão interessante são os bolinhos de Páscoa, feitos de pão de mel e cobertos com pasta americana colorida. A unidade, de 140g, custa R$14.

Para a família, a opção é o bolo da Páscoa, coberto com glaceado de açúcar, frutas secas e cerejas, que pesa 1,2kg e sai por R$ 34.

***

Onde encontrar as sugestões acima

La Vie en Douce
Rua da Consolação, 3151 – Jardins – SP/SP
Fone: (11)

Kopenhagen
Várias lojas em SP. Para ver todos os endereços, entre no site.

Speranza Gastronomia
Av. Sabiá, 788

Doce de Laura
Rua Aspicuelta, 27 – Vila Madalena – SP/SP

Fondant au chocolat

Fondant au chocolat

Inauguro aqui os trabalhos na casa nova, a casa própria: Guloseima.net. Para comemorar, escolhi uma receita francesa deliciosa, com muito chocolate. Fácil e simples de fazer, mas requer bons ingredientes: use o melhor chocolate que puder e seu paladar será recompensado.

Fondant au chocolat

FONDANT AU CHOCOLAT
Rendimento: 8 porções

200 g de chocolate meio-amargo (mínimo 60% cacau)
8 quadrados do mesmo chocolate
220 g de manteiga (NÃO pode ser margarina)
160 g de açúcar
120 g de farinha de trigo
4 ovos

Preaqueça o forno a 220oC. Enquanto isso, em banho-maria, derreta o chocolate cuidadosamente, e, quando estiver molinho, acrescente a manteiga e mexa bem até tudo virar um líquido marrom e brilhante.

Assim que estiver tudo derretido, tire do fogo, reserve e deixe esfriar. Enquanto isso, bata os ovos inteiros com o açúcar e vá acrescentando a farinha aos poucos, mexendo bem. Quando o chocolate estiver frio, acrescente à massa misturando com delicadeza.

Leve a mistura a uma forma alta, revestida com teflon, sem untar. Despeje metade da massa, distribua uniformemente os quadradinhos de chocolate, e cubra com o restante da massa. Leve para assar por 15 minutos e, ao tirar do forno, deixe mais 15 minutos descansando, antes de desenformar.

Sirva quente, com sorvete, ou frio, com frutas.

O vinho que acompanha esta sobremesa maravilhosa é um Porto tinto, ou um Banyuls, francês.

Chocolate quente

Chocolate quente

Você consegue passar o dia sem uma xícara de café quentinho? Eu não!

Mas tem horas que o café não resolve, especialmente se estiver muito frio. Para essas ocasiões, um bom chocolate quente pode ser perfeito.

Eu gosto de fazer da maneira mais simples possível: uma xícara de leite fumegante e uma barra de chocolate ao leite, mais um pouco de conhaque, se gostar, e pronto. É só mexer a caneca e degustar, sem pressa, tentando não queimar a língua.

Tem gente que faz com chocolate em pó, com um toque de pimenta, com chocolate amargo.

E você, qual é sua receita favorita de chocolate quente?

Todos os direitos reservados © Guloseima 2015 – Tema por Lanika.net + Carolina Y