Boeuf bourguignon

Honestamente, sou da opinião de que todo mundo deveria aprender a cozinhar, ainda que fosse o trivial, a comida boa de todo dia. Homens e mulheres. Cozinhar é um ato de entrega, e um santo remédio para amenizar tristeza e ansiedade. Funciona de fato, pelo menos para mim.

A idéia não é se tornar um expert. Claro, você sempre pode se tornar um, se quiser. Mas a intenção é conseguir preparar receitas simples para agradar quem você ama.

Gosto de preparar refeições enormes, para as festas de família. Acho que aprendi isso com minha mãe, que sempre orquestrou os almoços barulhentos em casa, na época que meus avós ainda estavam vivos.

Hoje em dia, divido o bastão de “cozinheira da família” com a mamma, naturalmente, e com a Angelina, tantas vezes citadas neste blog (e que está brava comigo porque me mandou tantas coisas boas pra postar e eu ainda não consegui, ai! Juro que vou postar, viu?)

Bem, mas eu estava mesmo dizendo que acho que todo mundo devia aprender a cozinhar um pouquinho. A Isabel Allende escreveu um livro muito interessante sobre comida, Afrodite. Numa das passagens, ela conta a história da transformação que um homem sofreu (para melhor) aos olhos de uma mulher depois de pegar nas panelas e misturar ingredientes e preparar um jantar maravilhoso para sua pretendente.

À primeira vista, o homem ruivo parecia o personagem perfeito de mais um encontro que terminaria em nada. Mas, ao tomar posse da cozinha, o homem mostrou todo o seu charme e sensibilidade e conquistou a moça.

Não é bonito? Eu acho. Gosto dessas histórias, de algum final feliz.

Então, que tal começar agora a pensar num jantar especial para sua amada? Nesse tempinho frio, improvise sua versão do clássico francês boeuf bourguignon. Eu te dou umas dicas, e você agarra o seu amor… pelo estômago 😉

BOEUF BOURGUIGNON CHEZ MOI
1/2 kg de coxão mole em tiras
50 g de bacon em cubinhos
2 cebolas pequenas
1 vidro pequeno de cogumelos
2 colheres (sopa) de manteiga
Azeite de oliva
2 dentes de alho
2 copos de vinho tinto (Borgonha é melhor)
Sal e pimenta-do-reino a gosto

Primeiro, frite o bacon com um fio de azeite numa panela, até ficar bem dourado. Reserve. Agora, derreta a manteiga e doure a cebola. Quando estiverem douradinhas, junte o alho, mexa bem, e acrescente os cogumelos. Reserve.

Frite metade da carne numa caçarola grande, com um fio de azeite. É importante fritar a carne em porções pequenas, para que ela fique douradinha. Frite até deixar queimar levemente (eu disse levemente!) o fundo da panela. Reserve junto ao bacon e frite a outra metade da carne, seguindo os mesmos procedimentos.

Quando estiver pronta, misture com o restante da carne. Mantenha a caçarola no fogo e despeje o vinho tinto. Raspe bem o fundo da panela para que o suco da carne se misture ao vinho. Cozinhe por alguns minutos e misture a carne, o bacon, a cebola e os cogumelos reservados. Mexa bem, acerte o sal, coloque pimenta-do-reino e deixe o molho reduzir levemente.

Quando a carne começar a desprender um aroma adorável, prove e desligue o fogo.

Sirva com arroz branco, ervilha-torta passada na manteiga, e o restante do vinho.